Artes Plásticas

Desde a Pré-História, o ser humano se utilizou da expressão plástica/artística para manifestar sentimentos, registrar feitos e contar sua história. A comunicação se fez de forma artística e simbólica antes da escrita a qual originou.

No tabladinho, as artes plásticas são mais que uma ferramenta de trabalho que temos sempre a disposição: trabalhando a capacidade de criação, usando a imaginação e descobrindo possibilidades, aprendemos (adultos e crianças) a dar novos significados para as coisas. O prazer em perceber um simples objeto em branco se transformar em uma nova linguagem! Ao lidar com diferentes cores, texturas, formas, as crianças vão descobrindo novos significados, acumulando experiências, construindo conhecimentos, produzindo cultura ao mesmo tempo em que são produzidas pela cultura. Além de uma grande fonte de conhecimento, no tabladinho, vivemos as artes plásticas como uma enorme fonte de prazer.

Brincadeiras

O caixote vira carro, a estrada é feita num chão de giz, mas tão logo a viagem acabe, corre-se para a cozinha... E em meio a tigelas cantantes, ovos quebrados, leite derramado, prepara-se o bolo mais delicioso do mundo. No minuto seguinte o caixote vira barco, o menino de lenço amarrado seu pirata, e nem mesmo uma hora é passada, o barco vira foguete, os bonecos de argila são marcianos, o papel é picado e a chuva são celofanes derramados...

Essas brincadeiras exigem uma boa dose de organização e independência. A brincadeira em grupo implica em compartilhar, em negociar os diferentes papéis de cada um, em cooperar em conjunto para criar uma diversão agradável para todos.

As brincadeiras tradicionais, como batatinha frita, pular corda, lenço atrás, também são de grande importância no processo de socialização. Compreender e obedecer as regras, esperar sua vez, não ser sempre o vencedor, nem sempre é um aprendizado fácil, mas uma vez superadas as dificuldades, torna-se uma forma muito prazerosa de viver em sociedade.

Na rotina do tabladinho, brincamos muito, e temos como um dos pontos da nossa proposta o resgate das antigas brincadeiras de quintal. Apesar de muitas vezes utilizarmos na nossa rotina brincadeiras como recursos metodológicos, não reduzimos as brincadeiras a meros "facilitadores de aprendizagens", mas reconhecemos a importância do lúdico, de seu papel socializador e da grande importância da brincadeira na construção do conhecimento, da identidade e da cultura.

Culinária

A culinária faz parte de nossa rotina. Cada turma, de acordo com a idade e suas possibilidades, explora receitas, sabores e a mágica da transformação dos ingredientes em deliciosos pratos que são saboreados no lanche. É um momento rico em descobertas, onde exploramos medidas, pesos, quantidades, registro das receitas. Cozinhando em grupo, as crianças aprendem a valorizar a refeição, percebendo mais uma vez sua capacidade de criação e transformação do mundo ao seu redor.

Famílias

A comunicação diária entre o tabladinho e as famílias é feita através da agenda do tabladinho. Nela, mandamos nossos recados e avisos, e recebemos também as comunicações dos familiares.

As portas do tabladinho estão sempre abertas aos pais e familiares. Todos são bem-vindos, sempre, para conversar, observar, conviver e até matar as saudades das crianças. Para nós, essa convivência é muito importante, e procuramos promover ao longo do ano diversos encontros que reunam alunos, famílias e escola: reuniões de pais, exposições, festa junina, passeios, excursões, debates,...e outros eventos. Esses encontros são fundamentais para nos conhecermos melhor e para que os pais conheçam as famílias dos amigos dos seus filhos. Acreditamos na alegria, e tomamos como fundamental a parceria família/escola na formação das crianças.

Literatura

A literatura, através da "contação de histórias", do manuseio de livros e da invenção coletiva de histórias é parte importante da rotina do tabladinho. As crianças não só ouvem histórias, as histórias também são contadas por elas e concomitantemente reinventadas.

Além do manuseio dos livros, da contação de histórias e da criação de histórias coletivas, criamos a "caixa do vai e vem" e a "caixa de histórias". Na "caixa do vai e vem", as crianças escolhem livros que levam para casa no final de semana e trazem de volta na segunda-feira, quando organizamos atividades em torno das histórias lidas e escolhidas pelas crianças. Da "caixa de histórias", que utilizamos com as crianças menores, saem personagens, sons, cheiros, objetos que enriquecem a contação de histórias.

As diferentes formas de linguagens e tipos de textos também fazem parte da nossa história: os contos, as lendas, as cantigas, as poesias, os trava-línguas, as parlendas, os jornais, os bilhetes, as receitas...

Nesse ambiente de livre expressão, a criança vai exercitando a capacidade e a liberdade da autoria e da narrativa enquanto interage com seus pares. Como nos diz Vigotski (2003:157): "(...) o que se deve fazer é ensinar às crianças a linguagem escrita, e não apenas a escrita das letras."

Música

A música está sempre presente na nossa rotina, e, uma vez por semana, as crianças têm aula de música com um profissional especializado. As aulas de música procuram despertar e desenvolver a capacidade musical infantil através do ritmo e do som e estimular o canto de forma prazerosa. Cantando as crianças desenvolvem vocabulário, trabalham a articulação, a desinibição, a auto-estima e a criatividade. Nessas aulas também trabalhamos o desenvolvimento rítmico/motor através da dança e de gestos de interpretação que possibilitam trabalhar a coordenação motora. O contato prazeroso com a música ao vivo desperta para novas sonoridades, timbres e ritmos. Os exercícios de audição, estimulam a compreensão, a concentração, a atenção e o prazer da escuta.

Sempre trabalhamos com música através de brincadeiras, jogos musicais, escuta de músicas de boa qualidade e danças. Procuramos privilegiar na escolha de nosso repertório os ritmos e o cancioneiro brasileiro.

Pesquisa

A pesquisa está presente no tabladinho desde as turmas 1 e 2. Procuramos estimular nas crianças desde cedo o prazer pela procura, pela descoberta, através dos mais diversos temas que sejam do seu interesse, muitas vezes propostos pelas próprias crianças. E é assim que, aos poucos, vamos descobrindo e re-descobrindo nosso corpo, os cinco sentidos, os bichos, o universo, os heróis da mitologia, a História da Humanidade, e o que mais nossa curiosidade "provocar"!

Psicomotricidade

De acordo com a definição adotada pela Sociedade Brasileira de Psicomotricidade (1982), "Psicomotricidade é a ciência cujo objeto de estudo é o homem através do seu movimento e sua relação com o mundo interno e externo."

A prática da Psicomotricidade na educação infantil proporciona à criança a possibilidade de experimentar seu corpo, vivenciar ludicamente suas emoções e desenvolver-se psicomotoramente de maneira equilibrada.

O trabalho da Psicomotricidade na educação tem como principal objetivo oferecer a cada aluno a oportunidade de experimentar a alegria do movimento e desenvolver sua habilidade corporal e expressiva a partir de uma conscientização do seu próprio corpo. Nas aulas de Psicomotricidade, elementos da Expressão Corporal e da Consciência Corporal aparecem associadas a jogos corporais. Diferentes materiais podem ser usados como bolas, bambolês, tecidos e pneus, e o trabalho é sempre feito em grupo, o que viabiliza uma maior integração e sociabilização entre as crianças e favorece as trocas afetivas.

Além do caráter expressivo, este trabalho enfoca também o desenvolvimento dos aspectos psicomotores, que vão sendo descobertos e conquistados através do corpo durante as aulas de Psicomotricidade, tais como imagem corporal, esquema corporal, coordenação motora global, equilíbrio estático e dinâmico, eixo corporal, tônus, postura, dissociação de segmentos corporais, lateralidade, coordenação espaço-temporal, motricidade fina, ritmo, relaxamento.

As aulas promovem o aumento do vocabulário de movimentos, da criatividade, da habilidade corporal e da consciência expressiva, o que nos torna seres humanos mais alegres, criativos e expressivos.

Teatro

O teatro faz parte da história do tabladinho. Afinal, o "clube", que deu início à tudo, tem sua origem ligada à criação do próprio Teatro Tablado. Não é possível pensar o tabladinho sem falar em teatro.

Brincar com teatro é muito gostoso. Além de um grande prazer, a brincadeira de teatro nos ajuda a desenvolver uma série de fatores que são muito importantes para a nossa formação.

Existem diversas formas de se brincar com teatro, e todas elas fazem parte do nosso dia-a-dia no tabladinho. Quando uma criança veste uma fantasia de herói, e sai correndo pelas salas e pátio enfrentando inimigos, ela está representando. Quando se veste de princesa e conversa longamente com sua personagem no espelho, também é uma forma de fazer teatro. Tal qual quando se propõe a fazer uma encenação formal no palco. São formas diferentes de representar. Na brincadeira de herói e de princesa, os papéis, os espaços e a história vão se definindo conforme a brincadeira acontece, e sua importância está em viver a história e o personagem. Quando encenamos uma história no palco, estamos contando para alguém essa história.

Através do teatro, trabalhamos a narrativa utilizando diferentes formas de linguagens, exercitamos a autoria, a fantasia, o trabalho em equipe, a expressão corporal e oral, o ritmo, a concentração, a desinibição, a organização. Tudo isso regado de muita imaginação, sensibilidade e alegria.

Educação Ambiental

Uma vez por semana, as crianças têm aula de Educação Ambiental com a equipe do Moleque Mateiro. Nessas aulas, onde as crianças têm oportunidade de conhecer e interagir na prática com questões como reciclagem do lixo, plantio de mudas e sementes, reflorestamento, o Homem é apresentado como um ser integrante da natureza e agente transformador do meio ambiente. Assim, “o Moleque Mateiro busca instigar a curiosidade e a sensibilidade das crianças para que elas vejam o espaço de forma crítica, mas também afetiva. Acreditamos que com esse novo olhar nossos moleques mateiros possam ser agentes multiplicadores de uma nova ética sócio-ambiental, contribuindo para um mundo melhor”.