Alfabetização e Letramento

Segundo Soares, a alfabetização é o processo de ensinar/aprender a ler e a escrever, enquanto o letramento, numa perspectiva social, é um fenômeno cultural, um conjunto de atividades sociais que envolvem a língua escrita, e de exigências sociais de uso da língua escrita.

O letramento pressupõe, assim, não apenas o domínio "técnico" da linguagem escrita, mas a compreensão dos diversos tipos de textos, sua função e utilidade, em resumo, a formação de leitores e autores. Entrelaçando Soares e Vigotski , acreditamos que o letramento evolui tendo como ponto de partida a necessidade de comunicação expressa pelo gesto da criança. Ou seja, esta necessidade de comunicação, expressa pelo gesto, passa pelo desenvolvimento do simbolismo no objeto usado para brincar, pelo simbolismo no desenho, até chegar ao simbolismo na escrita.

A rotina do tabladinho inclui muitas brincadeiras, jogos, material plástico (papéis grandes, muita tinta, diversos tipos de lápis, argila, cola, etc), teatro, música, histórias, fantoches, fantasias, psicomotricidade, banhos de mangueira, culinária... No tabladinho, procuramos estimular nas crianças o contato com uma produção escrita diversificada através de pesquisas, brincadeiras e das artes. Nesse processo, as crianças vão construindo suas hipóteses e tornado-se leitores e autores destemidos de suas próprias produções escritas. Assim, no tabladinho, o papel das artes e das brincadeiras não é de mero recurso metodológico, mas parte integrante e fundamental na construção do conhecimento e da linguagem escrita, propriamente dita.

No tabladinho acreditamos que a alfabetização e o letramento são processos que percorrem todos os anos da Educação Infantil e se desenvolvem pelo resto da vida. Amparados em estudos e pesquisas de Ana Teberoski, Emilia Ferreiro, Paulo Freire e Madalena Freire, entre outros, oferecemos para nossas crianças desde muito cedo o contato com diversos tipos de texto, afirmando assim a importância social da leitura e da escrita.

Acreditamos que as atividades de interpretação e de produção de escrita começam muito antes da vida escolar, "A escrita não é um produto escolar, mas sim um objeto cultural, resultado do esforço coletivo da humanidade." (Ferreiro)

A literatura, através da "contação de histórias", do manuseio de livros e da invenção coletiva de histórias, é parte importante da rotina do tabladinho. Assim como as artes plásticas, o teatro, a música, as artes em geral... Acreditamos que as várias formas de expressão são tão ou mais necessárias ao processo de letramento, do que um "ambiente alfabetizador" o é em relação à alfabetização. No tabladinho, as crianças não só ouvem histórias, as histórias também são contadas por elas e concomitantemente reinventadas. Nesse ambiente de livre expressão, a criança vai exercitando a capacidade e liberdade da autoria enquanto interage com seus pares.

Sempre tivemos em mente a preocupação de transmitir para as crianças os usos sociais da escrita. Ou seja, fazer uso dela no cotidiano da escola ressaltando sua importância na construção da sociedade.

Entendemos que a construção do conhecimento ocorre em diversas direções, em idas e vindas, e se desenvolve no dia a dia de cada um desde o nascimento. É através de tentativas que as crianças vão aos poucos dando conta da ortografia correta das palavras. Elas formulam suas hipóteses e percebem as regularidades da escrita e da leitura, atuando "com" e "sobre" essa linguagem através de um trabalho diário, contextualizado e dinâmico. Aos poucos, com muitos erros e acertos, nossas crianças vão se tornando autores destemidos. Sempre amparados e mediados pelo olhar afetuoso e orgulhoso de seus professores.

Da mesma forma, acreditamos que a construção do pensamento matemático se dá vivenciando situações do dia a dia, buscando soluções através de brincadeiras e jogos que permitam a exploração de ocupação de espaços, noção de medidas, a idéia de número, de quantidade e suas representações.

Através dessas práticas, a criança tem consciência de que a escrita, a leitura, a matemática, as ciências naturais, as artes, fazem parte de um saber social e que ela é participante na construção desse conhecimento. As artes e as brincadeiras são, assim, parte do processo de construção do conhecimento, de identidade, de cultura. Parte do processo de alfabetização e letramento que, sob esse prisma, não se dão apenas na linguagem escrita, mas nas mais diversas formas de expressão.

Quando as crianças concluem a Turma 6, saem daqui aptas para o ensino fundamental: lendo, escrevendo, autores de suas próprias produções escritas. Encaminhamos nossos alunos junto à direção das escolas de ensino fundamental, escolhidas pelas famílias, onde as crianças continuarão seus estudos numa nova etapa.